7 tendências de vendas para ficar de olho em 2020

7 minutos para ler

As tendências de vendas para este ano são uma oportunidade para sistematizar seus processos e obter melhores resultados. Em um mercado com alta competitividade, a necessidade constante de conhecer e buscar estratégias inovadoras é fundamental, especialmente para incrementar os planos de ação e posicionar a empresa à frente da concorrência.

No cenário atual, também impressiona a rapidez com a qual as tendências mudam e, principalmente, com a velocidade que são incorporadas ao nosso cotidiano.

Como ponto positivo dessa realidade, está a facilidade de identificar algumas das tendências de forma mais clara, pois elas já estão presentes em alguma medida nas nossas vidas — como no caso da inteligência artificial.

Por isso, nada justifica desconsiderá-las ao elaborar os seus planos estratégicos. Confira as tendências que separamos para ajudar você a pensar o posicionamento do seu negócio em 2020 e a aumentar as vendas.

1. O cliente mais próximo da indústria

O foco no cliente (também chamado de Customer Centricity) é uma tendência consolidada, mas que é reforçada a cada dia. O consumidor se tornou um protagonista no processo de compra e consegue o que precisa com autonomia. Além disso, eles trocam experiências uns com os outros sobre a compra e o uso dos mais diversos produtos e serviços. Sendo assim, eles acabam funcionando como influenciadores da sua rede de contatos.

Outro aspecto importante é que as fronteiras estão cada vez mais próximas. Uma indústria brasileira pode ter acesso a serviços de profissionais em todo o mundo, bem como cada consumidor.

Nesse cenário, as indústrias isoladas, que deixam para distribuidoras e outros intermediários a tarefa de relacionamento com clientes, tendem a um desempenho limitado. Por isso, é esperada uma aproximação cada vez maior com os clientes, além de um forte envolvimento com o sucesso deles no uso do produto — ainda que se mantenham os intermediários.

2. Produtos personalizados

As linhas de produção — ou os modelos em célula — foram a base dos sistemas de produção industrial, levando a padrões e boas práticas de qualidade bastante conhecidas. No processo de desenvolvimento e aprimoramento desses nossos sistemas de produção industrial, o exemplo clássico de Henry Ford ajuda a entender duas situações distintas: o erro e o acerto da estratégia da Ford. São elas:

  • uma produção padronizada e em série permitiu a construção de carros mais baratos e potencializou a venda. Caracterizada pela frase que dizia: “o cliente pode ter o carro da cor que quiser, contanto que seja preto”;
  • a indústria concorrente passa a fabricar carros com cores variadas, prejudicando as vendas da Ford.

Atualmente, estamos diante de um dilema parecido. Algumas montadoras já oferecem a opção de personalizar os veículos com detalhes decorativos. Elaborar uma operação que viabilize essa personalização não é uma tarefa simples, mas a tecnologia pode ajudar nisso.

Por isso, é importante manter atenção à concorrência e, na impossibilidade de uma personalização relevante, poder criar diferenciais nos serviços relacionados ao produto parece uma alternativa interessante de personalização.

3. Experiência omnichannel

Especialmente em razão da popularização dos smartphones o consumidor passou a se manter conectado o tempo todo. Por meio desse dispositivo, ele acessa as mais diversas aplicações de onde estiver e a qualquer hora.

O resultado dessa experiência é a criação do hábito de utilizar vários canais para interagir com empresas e pessoas. Por isso, manter o atendimento limitado há a poucos canais, como telefone e o site, pode desmotivar o relacionamento com o consumidor.

A partir do momento em que ele tem opção de interagir pelas redes sociais, aplicativos de mensagem e plataformas de marketplace, por exemplo, ele naturalmente dará preferência às empresas que estiverem disponíveis nesses meios.

No entanto, esse hábito não está limitado uma experiência multicanal, ou seja, que disponibilize contato em vários canais, mas sem que, necessariamente, eles estejam integrados. Por isso, o aprimoramento da experiência omnichannel, que implica em uma boa integração e compartilhamento de informações, é uma forte tendência.

4. Marcas autênticas 

Segundo indicam as pesquisas, as novas gerações, que já estão entrando no mercado de trabalho e tomando decisões, valorizam as marcas que assumem uma postura autêntica em favor das causas nas quais eles acreditam.

Temas como a sustentabilidade e o respeito à diversidade são aspectos importantes para essas gerações que, no lugar de valorizar as marcas famosas, se engajam por afinidade de propósitos e valores.

Por isso, além de buscar desenvolver a cultura e o comportamento esperado, as empresas devem se dedicar cada vez mais a ações de compliance, que também contribuem para a criação de uma marca socialmente responsável.

5. Pesquisa por voz

A pesquisa por voz tem a grande vantagem por ser mais natural e, além disso, manter as mãos livres. Como resultado, pesquisas diversas podem ser feitas, por exemplo, enquanto se escolhe frutas no supermercado — ainda que possa chamar a atenção das pessoas ao redor.

O crescimento da pesquisa por voz é bastante significativo, também influenciado pelo uso dos smartphones e os recursos dos assistentes pessoais. Segundo a Meio & Mensagem:

“Os usuários desses dispositivos — os mais conhecidos são Apple Siri, Google Assistant, Amazon Alexa e Microsoft Cortana — já somam 710 milhões em todo o mundo e devem chegar a 1,831 bilhão em 2021, segundo dados da Tractica. Em 2020, a comScore estima que 50% de todas as buscas sejam relacionadas a voz, transformando completamente o panorama de pesquisa.”

6. Realidade aumentada e virtual

A realidade aumentada e virtual são recursos fantásticos de interação. Não há quem não fique maravilhado ao ter contato com as possibilidades dessas tecnologias. No entanto, elas parecem distantes do uso prático — apenas parecem.

A realidade virtual ainda depende da popularização dos óculos virtuais, mas o mesmo não ocorre com a realidade aumentada, que já é aplicada em algumas ações de varejo e como ferramenta de detalhamento sobre produtos e serviços com o uso da câmera do celular.

7. Inteligência artificial e IoT

A inteligência artificial (IA) já é aplicada a várias ferramentas e tecnologias. Chatbots, por exemplo, já são capazes de interagir e aprender de um modo espantoso. O resultado é impactante no atendimento e nas vendas, uma vez que isso permite concentrar o atendimento humano em situações nas quais ele é mais importante, enquanto a inteligência artificial automatiza as interações mais simples e padronizadas.

De modo geral, isso permite que os colaboradores do atendimento se ocupem em com atividades mais estratégicas e menos operacionais, o que aumenta o valor entregue por meio do trabalho desses profissionais.

A IoT tem um impacto ainda maior e de forma combinada com a IA. Além de facilitar do ponto de vista operacional da logística, fornece informações detalhadas, importantes para melhorar o atendimento e encantar o cliente.

Para concluir, vale mencionar que as tendências de vendas não estão limitadas aos pontos que relacionamos para você. Novas empresas, de características disruptivas, tendem a viabilizar, por exemplo, modelos de negócio com impactos sociais, atividades sustentáveis, que incentivem o compartilhamento e que usem a inovação como ferramenta do desenvolvimento de uma melhor qualidade de vida. Será um desafio para as empresas tradicionais concorrer com tamanha autenticidade.

Mantenha-se informado sobre essa realidade em transformação. Para não ficar de fora, assine a nossa newsletter e receba novidades em primeira mão.

Cases de sucesso SimplusPowered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário